Acre possui menos tentativas de fraudes nas compras online; Amazonas lidera ranking da Região Norte

Notebook, celular e relógios seguem como produtos com alto potencial de fraudes na hora da compra

Na Região Norte, o Amazonas apresentou mais tentativas de fraudes nas compras via Internet no primeiro semestre. Seguido pelo Amapá (6,8%) e Pará (5,1%). Os que mostraram menos tentativas de fraude foram Rondônia (3,1%), Acre (3,4%) e Roraima (3,9%). Avaliação é da ClearSale, empresa de gestão de risco de fraude no comércio eletrônico.

Foto: Reprodução/Shutterstock

Foto: Reprodução/Shutterstock

Do total de vendas eletrônicas da região Nordeste, 5,6% foram suspensas por suspeitas de irregularidades ou por confirmação de fraude. Em seguida no ranking estão o Norte (5,3%), Centro-Oeste (3,9%), Sudeste (3,1%) e Sul (1,5%).

Os produtos que mais sofreram tentativas de fraudes foram notebook (6%), celular (4,7%), relógios (4%), acessórios como brincos, cintos, pulseiras (2,6%). Ainda constam nos itens de produtos: artigos de beleza como cremes, perfumes, maquiagem, secador, entre outros (2,4%). Informática (2,1%), cine e foto (2%), automotivos (2%), games (1,9%) e roupas (1,8%).

Vendas eletrônicas em outras regiões

Na região Nordeste, a Bahia foi o Estado com mais tentativas de fraude (7,8%), seguido por Ceará (7,1%), Maranhão (5,5%) e Paraíba (4,3%). Ainda nesta região, Piauí (2,8%) foi o que registrou o menor percentual de irregularidades no comércio eletrônico. Na região Centro-Oeste, está Goiás (4,8%), seguido pelo Distrito Federal (4,2%). O que mostrou menos tentativas de fraude é o Estado do Mato Grosso do Sul (1,8%).

Na região Sudeste, o Estado que apresentou mais irregularidades no comércio eletrônico no primeiro semestre foi São Paulo (3,5%), seguido pelo Rio de Janeiro (3,3%). Os que mostraram menos tentativas de fraude foram Espírito Santo (1,9%) e Minas Gerais (2%). Na região Sul, o Rio Grande do Sul foi o Estado com menos tentativas de fraude (1,5%), seguido por Paraná (também com 1,5%) e Santa Catarina (1,7%).

Com informações do Portal Amazônia.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *